• Receita inclusa
  • Medicamentos Originais
  • Serviço incluído no preço e parcelamento
  • Entrega inclusa
Início / Cistite / Síndrome da bexiga dolorosa: Sintomas da Cistite crônica

Síndrome da bexiga dolorosa: Sintomas da Cistite crônica

Saiba tudo sobre a síndrome da bexiga dolorosa na euroClinix

As infecções do trato urinário (ITUs), como a cistite, são comuns e podem ser muito desconfortáveis ​​para muitas mulheres. Não é incomum que elas ocorram com frequência, no entanto, se você costuma sentir dor, uma necessidade urgente de fazer xixi isso pode ser um sinal de uma condição crônica.

Síndrome da bexiga dolorosa (PBS), síndrome da bexiga hipersensível, síndrome da dor vesical (SDV) e síndrome da dor na bexiga (BPS) são nomes para cistite intersticial (CI), uma doença que causa uma série de sintomas e pode afetar homens e mulheres. Os sintomas mais comuns de cistite intersticial incluem dor pélvica crônica e pressão na bexiga, bem como aumento da frequência e urgência urinária.

Não há uma causa específica e a condição costuma ser mal compreendida. Embora não seja uma condição fatal, pode ter um impacto significativo em sua vida. Felizmente, a maioria dos que têm cistite intersticial podem levar uma vida relativamente normal, pois há muitos tratamentos diferentes disponíveis. Continue lendo para descobrir mais sobre a síndrome da bexiga dolorosa (cistite intersticial), suas causas e como ela é tratada.

O que é cistite intersticial?

A cistite intersticial (CI) é uma inflamação crônica da bexiga que afeta milhões em todo o mundo. É caracterizada por dor pélvica e vontade repentina de urinar.

Existem dois subtipos principais de cistite intersticial. 90% das pessoas com cistite intersticial terá o tipo não ulcerativo. Isso significa que há glomerulações (hemorragias na bexiga). No entanto, eles não são específicos da CI e podem ser causados ​​por outros tipos de inflamação. O outro 5-10% terão a forma ulcerativa da CI, o que significa que têm úlceras ou úlcera de Hunner. Essas são áreas vermelhas e sangrantes, às vezes conhecidas como úlceras na parede da bexiga, que costumam resultar em sintomas mais graves.

A cistite intersticial também está vinculada a várias outras condições. As três condições associadas mais comuns são a síndrome do intestino irritável (SII), pele sensível e alergias. No entanto, há sobreposição entre uma série de outras condições, como enxaqueca, problemas de incontinência, asma, endometriose, fibromialgia, lúpus e fadiga crônica.

O que causa a cistite intersticial?

A causa exata da Síndrome da bexiga dolorosa não é conhecida. No entanto, pesquisadores identificaram vários fatores que podem contribuir para o desenvolvimento da doença, como:

Pensa-se que todos esses fatores causam danos à parede da bexiga, o que permite que as partículas da urina vazem para o revestimento da bexiga. Uma vez que essas partículas entram no revestimento da bexiga, isso provoca uma variedade de respostas que podem danificar ainda mais a bexiga, bem como os nervos e músculos ao redor dela.

Qual é a diferença entre cistite intersticial e cistite?

Embora a cistite intersticial e a cistite normal apresentem sintomas semelhantes, elas têm causas diferentes. A cistite é um tipo de ITU (infecção do trato urinário) causada por uma infecção da bexiga. Isso é causado por bactérias geralmente inofensivas que entram pela uretra e infectam a bexiga, causando desconforto. A cistite é uma condição aguda que muitas vezes pode desaparecer sozinha, mas pode ser tratada com antibióticos, embora as pessoas possam ter episódios recorrentes. A CI, por outro lado, não tem etiologia clara e é uma condição crônica que não pode ser curada.

Quais são os sintomas?

Os sintomas e sua gravidade variam de pessoa para pessoa. No entanto, os principais sintomas da Síndrome da bexiga dolorosa incluem:

Os sintomas podem passar por fases e ocasionalmente podem piorar por um curto período de tempo, também conhecido como 'surto'. Isso pode ser desencadeado por vários fatores ambientais. Dieta, certos medicamentos, exercícios, relações sexuais, flutuações hormonais, estresse e até mesmo roupas apertadas podem desencadear sua CI.

Mulher precisa fazer xixi

Como é diagnosticado?

Diagnosticar a doença pode ser difícil, pois ela pode ser confundida com várias outras condições médicas, incluindo bexiga hiperativa (BH), cistite bacteriana ou ITU crônica. É por isso que o processo de diagnóstico de CI envolve predominantemente a eliminação de outras condições.

O seu médico conduzirá um exame físico, geralmente envolvendo um exame pélvico para verificar se há alguma anormalidade e se há outra causa para a dor pélvica. Você pode precisar de alguns exames adicionais, como exames de sangue ou urina. Se você tiver outras complicações, como endometriose ou problemas gastrointestinais, pode exigir testes de diagnóstico adicionais. Nesse caso, o seu médico irá encaminhá-lo para um especialista em uma clínica de urologia. Um urologista fará testes diagnósticos mais especializados.

Cistoscopia com Hidrodistensão

Um dos testes que eles podem realizar é a cistoscopia. Este é um procedimento para olhar dentro da bexiga usando uma câmera fina chamada cistoscópio, que é inserida na uretra. O cistoscópio pode ser equipado com instrumentos para a obtenção de biópsias da parede da bexiga. Embora as biópsias não sejam necessárias para o diagnóstico de CI, podem ser úteis na eliminação do câncer de bexiga como causa. Este procedimento pode ser realizado juntamente com a distensão da bexiga, onde a bexiga é alongada, enchendo-a com água (hidrodistensão). O cirurgião deixará o fluido sair e depois inspecionar novamente a bexiga, permitindo que um especialista examine a capacidade da sua bexiga sob anestesia. É um procedimento desconfortável, mas simples. Você normalmente terá alta no mesmo dia.

Teste de Urodinâmica

Você pode precisar de um teste de urodinâmica para descobrir como a bexiga, os esfíncteres (músculos ao redor do colo da bexiga) e a uretra retêm e liberam a urina. Isso envolve a inserção de dois cateteres na bexiga. Um cateter será conectado a uma máquina de água esterilizada e o outro conectado a um monitor de pressão que mede a quantidade de líquido que sua bexiga pode reter. Outro cateter será inserido na vagina ou reto nos homens para medir a pressão que o resto do corpo está exercendo sobre a bexiga. Não é um procedimento doloroso, mas pode ser um pouco desconfortável.

Como é tratado?

Infelizmente não há cura para a Síndrome da Bexiga dolorosa. No entanto, há uma combinação de opções de tratamento disponíveis para melhorar sua qualidade de vida.

Medicamentos

Existem alguns analgésicos de venda livre (ibuprofeno e paracetamol) e anti-histamínicos (loratadina ou cetirizina) que seu médico pode recomendar para aliviar alguns dos seus sintomas. No entanto, também existem medicamentos com receita disponíveis, incluindo os que o seu médico irá prescrever com base nos seus sintomas e na gravidade:

Assim como os medicamentos orais, também existem medicamentos que são passados ​​diretamente para a bexiga, conhecidos como instilações na bexiga ou medicamentos intravesicais. Isso inclui medicamentos como:

Cirurgias

Se os medicamentos prescritos não ajudarem ou se você tiver áreas (lesões) anormais na bexiga, como úlceras de Hunner, você pode precisar de procedimentos para ajudar a aliviar os sintomas. Os procedimentos incluem:

Tratamentos Complementares

Combinado com medicamentos, algumas formas de terapia podem ajudá-lo. Pode ser recomendada fisioterapia para massagear os músculos do assoalho pélvico para ajudar com qualquer tensão na bexiga ou terapia psicológica para ajudá-lo a lidar com a condição e como ela afeta você.

Outro tratamento alternativo é a estimulação elétrica nervosa transcutânea. Este é um pequeno dispositivo operado por bateria que envia impulsos elétricos por todo o corpo, frequentemente usado para doenças que causam dor crônica. Há pesquisas em andamento sobre sua eficácia e é uma boa ideia falar com seu médico antes de comprar um.

Médica tratando paciente

Como faço para tratar a cistite intersticial?

Saber o que desencadeia seus sintomas de CI é a chave para gerenciar a doença. Existem também algumas mudanças menores no estilo de vida que podem melhorar seus sintomas de CI e reduzir a chance de surtos.

Texto Revisado médicamente por
Dr. Rebecca Littleford MBChB/MRCGP/DRCOG Escrito por nossa equipe editorial
Última atualização 17-06-2022
  • Selecione
    o Medicamento

  • Preencha
    o formulário

  • O médico emite
    a sua prescrição

  • Entrega
    expressa grátis