Blog da euroClinix sobre sáude    Todos empenhados pela sua sáude

A Impotência em Portugal

Postado a: Saúde Masculina 19 Mar, 2013

Segundo dados da Sociedade Portuguesa de Andrologia (SPA), em Portugal, estima-se que cerca de meio milhão de homens sofre de disfunção eréctil, também designada por impotência sexual. A disfunção eréctil, caracteriza-se pela dificuldade de conseguir ou manter uma erecção, que permita obter uma relação sexual satisfatória, e pode ter origem em causas físicas, psicológicas, ou frequentemente, numa combinação de ambas. As perturbações da função sexual masculina são bastante frequentes, e a tendência é adensarem-se à medida que se avança na idade, com uma taxa de incidência de cerca de 52% em homens entre os 40 e os 70 anos.

Estaremos sempre perante casos de impotência?

Convém advertir que nem sempre estamos perante um caso de impotência, uma vez que é comum a muitos homens experimentarem estes sintomas ocasionalmente. No entanto, se os sintomas de impotência se tornarem recorrentes, especialmente por um período igual ou superior a três meses, é aconselhável procurar ajuda e tratamento médico.

De acordo com declarações de Jorge Rocha Mendes, presidente da SPA em 2012, esta parece mesmo ser a questão fulcral, uma vez que é muitas vezes o sentimento de vergonha, e o estigma associado que impede a procura de um diagnóstico essencial para a escolha do tratamento mais adequado a cada caso em particular. Este revela ainda que "é possível tratar com êxito a grande maioria das situações de disfunção eréctil", devido aos avanços científicos ocorridos nos últimos anos. No entanto, apenas cerca de 10% dos casos se encontra em fase de tratamento.

Procurar ajuda médica para tratar a impotência

Um estudo internacional recente efectuado em parceria pela Lilly e pela SKIM Healthcare revela ainda que Portugal consta entre os países com as taxas mais baixas na procura de aconselhamento médico, com apenas 12%, sendo apenas superado pela Coreia do Sul (9%). Em primeiro lugar, como fonte de informação, surge a Internet (46% dos casos), seguida de livros (28%), revistas (18%) e finalmente o companheiro ou companheira (14%). Avança ainda que 95% dos portugueses afirmam nunca ter tomado qualquer medicação ou efectuado qualquer tratamento, muito acima da média mundial (84%).

Questões culturais, educacionais, mitos e crenças parecem estar associadas a esta recusa em revelar o problema, e este frequentemente é acompanhado de grande sofrimento, que se reflecte tanto na auto estima, como nas relações com o outro, bem como no sentimento de identidade.

Insira o seu comentário
  • O seu nome:*
  • O seu email:
  • O seu comentário:*
Continue lendo
Descubra as categorias do Blog euroClinix
Discover more
Com a pandemia de gripe H1N1 no Brasil, afetando em maior proporção o... Continue lendo
O Brasil tem visto um salto repentino nos casos do vírus H1N1, popularmente... Continue lendo
Tamiflu, medicamento que combate o vírus influenza, também conhecido como... Continue lendo