HPV (vírus do papiloma humano)

HPV, vírus do papiloma humano, é uma infecção muito comum, alguns tipos da doença podem levar ao cancro cervical e também outros tipos de cancro, assim como desenvolvimento de verrugas genitais. A doença se espalha facilmente pelo contato pele-a-pele.

Existem tratamentos disponíveis para as alterações celulares no colo do útero causadas pelo HPV, mas mais importante do que isso é que há maneiras de reduzir o risco de contrair HPV.

Aprender mais sobre a infecção é o primeiro passo e provavelmente o mais importante para prevenir, identificar e tratar a doença.

Aqui estão algumas das perguntas mais comuns que ouvimos sobre o HPV. Esperamos que encontre as respostas que procura.

O que é o HPV?

O vírus do papiloma humano (HPV) é comumente transmitido entre os seres humanos através de sua pele ou membranas húmidas, como na vagina, ânus, boca ou garganta. O HPV de baixo risco pode resultar em sintomas não facilmente identificáveis, mas o HPV de alto risco pode até levar ao cancro. Existem mais de 100 tipos de vírus HPV e cada um deles possui um número de identificação.

desenvolvimento do HPV

Cada um dos diferentes tipos, no entanto, apresenta as principais características dos vírus. Cada micróbio de vírus infeccioso terá um ácido nucleico quer sob a forma de ácido desoxirribonucleico (ADN) ou de ácido ribonucleico (ARN), rodeado por uma capsídio proteico. Sendo vírus, eles só podem sobreviver prosperando em células vivas que se tornam hospedeiras. Eles transferem informações genéticas para essas células e governam como elas se comportam.

Os vírus HPV de baixo risco podem causar verrugas em torno das áreas da pele onde o vírus entrou em contato, como genitais, ânus, boca e garganta. Em casos muito raros, também pode causar tumores no nariz, boca e pulmões. Cerca de doze tipos de HPV de alto risco podem levar ao cancro.

Cerca de 30 tipos de HPV são espalhados através do contato genital. Cada um é "nomeado" com um número, na ordem de sua descoberta. Além disso, eles são divididos em dois grupos:

Tipos de HPV de "baixo risco"

Existem cerca de 12 tipos de HPV que são chamados de "baixo risco" porque não são conhecidos por causar cancro cervical. Eles podem, no entanto, causar verrugas genitais ou alterações de células muito pequenas no colo do útero. Estes tipos de HPV de baixo risco são conhecidos pelos números 6, 11, 40, 42, 43, 44, 53, 54, 61, 72, 73 e 81. Os tipos 6 e 11 - que estão ligados a cerca de 90 por cento dos condilomas genitais - são os mais comuns.

 verrugas genitais

Tipos de HPV de "alto risco"

Existem mais de doze tipos de HPV de "alto risco" que podem causar a formação de células anormais no colo do útero. Estas alterações anormais da célula podem desenvolver-se gradualmente no cancro do colo do útero se não removidas. Os 13 tipos de HPV de alto risco que são mais preocupantes são conhecidos pelos números 16, 18, 31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 56, 58, 59 e 68. Os tipos 16 e 18 são os mais perigosos, uma vez que causam cerca de 70 por cento dos cancros cervicais.

cancro cervical e HPV

Em um estudo, o American National Cancer Institute descobriu que cerca de 10 por cento das mulheres com HPV tipo 16 ou 18 desenvolveram sintomas avançados, precursor da doença cervical (CIN 3) dentro de três anos (em comparação com apenas 4 por cento das mulheres com qualquer outro tipo de HPV ), e 20 por cento fizeram isso em 10 anos (em comparação com 7 por cento).

Como se dissemina o HPV?

O HPV é transmitido através do contacto pele-a-pele. É uma infecção muito comum que geralmente não causa nenhum sintoma imediato.

A doença pode ser transmitida através do sexo vaginal, anal ou oral com alguém que tem o vírus. É mais comumente espalhado durante o sexo vaginal ou anal. O HPV pode ser transmitido mesmo quando uma pessoa infectada não apresenta sinais ou sintomas.

Qualquer pessoa sexualmente ativa pode contrair HPV, mesmo que tenha tido relações sexuais com apenas uma pessoa. É possível também desenvolver sintomas anos depois de ter relações sexuais com alguém que está infectado tornando difícil saber quando se infectou pela primeira vez.

transmissão do HPV

Presume-se que 8 em cada 10 pessoas serão infectadas com o vírus em algum momento de suas vidas. Infecções por HPV são geralmente nos dedos, mãos, boca e genitais. Para a maioria das pessoas, a infecção vai desaparecer por conta própria e os mesmos não vão se quer descobrir que estavam contaminados. Mas em algumas pessoas a infecção permanecerá por muito tempo e se tornará persistente.

Riscos de transmissão de parceiro(a) para parceiro(a) – Uma pesquisa científica

Se uma pessoa em um casal heterossexual tem o papiloma vírus humano (HPV), há 20 por cento de chance de seu parceiro pegar o vírus dentro de seis meses, um novo estudo concluiu.

O estudo também analisou as taxas de transmissão de HPV de homem para mulher e de mulher para homem, mas não encontrou nenhuma diferença entre as taxas de transmissão de homem para mulher e as taxas de transmissão do sexo feminino para o sexo masculino.

Também não encontrou nenhuma ligação entre o número de parceiros no passado sexual de uma pessoa e suas chances de pegar o HPV de um parceiro atual.

"Não há evidências concretas sobre a frequência com que o HPV se transmite", disse a autora do estudo, Ann Burchell, da Universidade McGill, em Montreal. "A maior parte do trabalho sobre o HPV girou em torno de como o mesmo é comum dentro de uma população." Combinar os dados sobre transmissão e frequência, disse ela, pode ajudar os pesquisadores a ter uma visão mais completa de como o vírus se espalha.

O estudo foi publicado Journal of Infectious Diseases.

HPV infecta os órgãos genitais de ambos os sexos, e pode causar verrugas genitais, bem como cancro do colo do útero.

Para estudar quantas vezes o HPV se espalhou de uma pessoa infectada para um parceiro sexual não infectado, Burchell recrutou mulheres de idade universitária em relacionamentos. Ela e seus colegas identificaram 179 casais em que uma pessoa estava infectada com HPV, mas a outra não. Quatro meses após o início do estudo, Burchell pediu aos casais que voltassem para a clínica para realização de exames de acompanhamento e questionários.

Quando os pesquisadores contabilizaram o número final de pessoas que haviam sido recentemente infectadas com HPV, descobriram que a probabilidade total de transmissão era de 20% ao longo de um período de seis meses. Os casais relataram ter relações sexuais quatro vezes por semana, em média, e 50% disseram que nunca usaram preservativos.

Outros estudos menores sugeriram que o HPV se espalha mais facilmente de mulheres para homens do que de homens para mulheres. Esse estudo, no entanto, viu taxas de transmissão quase idênticas.

"Nossa hipótese é que a transmissão do sexo feminino para o sexo masculino pode ocorrer com mais frequência, mas resulta em infecções mais curtas, e pelo tempo que vimos esses casais de novo, algumas dessas infecções masculinas tinham passado" relata Burchell.

Pesquisadores levantaram também a hipótese de que aqueles que tiveram muitos parceiros sexuais têm maior probabilidade de terem obtido imunidade ao HPV - então eles foram considerados menos propensos a pegar uma nova infecção pelo HPV de um parceiro atual. De modo geral, quando alguém é infectado com um vírus, o corpo muitas vezes salva anticorpos para combater o vírus no futuro. No entanto, não há qualquer evidência conclusiva para tal afirmação.

Grupos de risco

Existem certos fatores de risco que colocam uma pessoa em maior risco de contrair um dos tipos de vírus do HPV, incluindo:

  • Idade: verrugas comuns ocorrem mais comumente em crianças, verrugas genitais ocorrem mais comumente em adolescentes e adultos jovens, e verrugas plantares ocorrem mais comumente em adultos, mas inicialmente ocorrem em adolescentes e adultos jovens.
  • Um maior número de parceiros sexuais
  • Ter relações sexuais com um parceiro que teve um maior número de parceiros íntimos
  • Aqueles que estão imuno-comprometidos (Ex.: possuem o vírus do IVH)
  • Tendo áreas da pele danificada
  • Contacto pessoal com verrugas ou superfícies onde a exposição ao HPV ocorreu.

Quais são as principais consequências do HPV para a saúde?

Na maioria dos casos, o HPV desaparece por conta própria e não causa problemas de saúde a longo prazo. Mas quando o HPV não desaparece, pode causar problemas de saúde como verrugas genitais e cancro.

As verrugas genitais geralmente aparecem como uma pequena colisão ou grupos de solavancos na área genital, são também conhecidas como condiloma acuminado ou popularmente como crista de galo. Eles podem ser pequenos ou grandes, levantados ou planos, ou em forma de couve-flor. Um profissional da saúde pode geralmente diagnosticar verrugas, apenas olhando para a área genital do paciente.

Cancro do colo do útero geralmente não tem sintomas até que esteja em estágio bastante avançado, muito grave e difícil de tratar. Por esta razão, é importante que as mulheres passem por consultas médicas regulares para identificar a possibilidade de cancro do colo do útero. Testes de rastreamento podem encontrar sinais precoces da doença para que os problemas podem ser tratados precocemente, antes que eles se transformem em cancro.

Mudanças cervicais

Outros cancros relacionados ao HPV podem não apresentar sinais ou sintomas até que estejam avançados e difíceis de tratar. Estes incluem cancros da vulva, vagina, pênis, ânus e orofaringe (cancros da parte posterior da garganta, incluindo a base da língua e amígdalas).

Sintomas e diagnóstico

De acordo com o CDC, Center of Disease Control and Prevention, a maioria das infecções por HPV desaparecem por conta própria sem qualquer sinal ou sintoma. Isso significa que pessoas infectadas podem ter, sem saber, passando o HPV para parceiros sexuais.

Para uma minoria dos casos, o vírus não desaparece e pode causar sérios problemas de saúde. Estes incluem verrugas genitais e verrugas na garganta (conhecida como papilomatose respiratória recorrente). O HPV também pode causar cancro cervical e outros cancros genitais, cabeça, pescoço e garganta.

Os tipos de HPV que causam verrugas são diferentes dos tipos que causam cancro. Como tal, ter verrugas genitais causadas por HPV não significa que você vai desenvolver cancro.

Os cancros causados pelo HPV muitas vezes não mostram sintomas até que o cancro esteja em estágios mais avançado de crescimento. As triagens regulares podem ajudar a diagnosticar problemas de saúde relacionados ao HPV mais cedo. Isso pode melhorar a perspectiva e aumentar as chances de sobrevivência.

Testes para infecção por papilomavírus humano

A Food and Drug Administration (FDA) aprovou o primeiro teste de DNA para o HPV em 2014. Diretrizes atualizadas recomendam que as mulheres tenham seu primeiro teste de Papanicolau (Papanicolau) aos 21 anos e, em seguida, começem a fazer o teste de HPV, começando aos 30 anos. Testes de Papanicolau regulares ajudam a identificar células anormais em mulheres. Estes podem sinalizar cancro cervical ou outros problemas relacionados ao HPV. As mulheres entre 30 e 65 anos devem ser examinadas a cada cinco anos com co-teste de Papanicolau e HPV. Se tiver menos de 30 anos, o seu médico ou ginecologista também pode solicitar um teste de HPV se os resultados do exame de Papanicolaou forem anormais.

Se for identificado uma das 15 cepas de HPV que podem levar ao cancro, o seu médico pode querer monitorá-lo para alterações cervicais. Pode ser necessário fazer um teste de Papanicolaou mais frequentemente.

No entanto, as alterações cervicais que levam ao cancro muitas vezes levam 10 ou mais anos para se desenvolverem e infecções por HPV muitas vezes desaparecem por conta própria em um ou dois anos sem causar cancro. O paciente pode querer seguir um curso de espera vigilante em vez de passar por tratamento para as células anormais ou precancerosas resultantes de uma infecção. Seu médico também pode querer fazer o acompanhamento de testes com colposcopia. Este procedimento utiliza um instrumento (colposcópio) para examinar a vagina e o colo do útero mais de perto e procurar áreas anormais.

células

É importante notar que o teste HPV está disponível apenas para o diagnóstico de HPV em mulheres. Atualmente, não há testes aprovados pela FDA disponíveis para diagnosticar HPV em homens.

Os sintomas do HPV em homens

Os tipos de HPV de alto risco que podem causar cancro raramente apresentam quaisquer sintomas em homens. As verrugas genitais são o primeiro sintoma que você pode ver com cepas de HPV de baixo risco que causam verrugas, mas não cancro.

Testes para Infecção por HPV em homens

Para diagnosticar verrugas genitais em homens, o médico irá verificar visualmente a área genital de um homem para ver se as verrugas estão presentes. Alguns médicos aplicam uma solução de vinagre para ajudar a identificar verrugas que não são levantadas e visíveis. Mas o teste não é infalível. Às vezes, a pele normal é erroneamente identificada como uma verruga.

Sintomas do HPV em ambos os sexos

HomensMulheres Ambos
No organismo feminino, as verrugas costumam se desenvolver na vulva, vagina, colo do útero. Na genitália masculina, o pénis é o local mais afetado e é comum o aparecimento do HPV.
Em ambos os sexos, o ânus, garganta, boca, pés e mãos são locais em que o vírus do HPV costuma se manifestar.

Se tiver verrugas novas ou notar outras alterações após a actividade sexual, contacte o seu médico para uma avaliação.

Tratamento e manutenção do HPV

Não existe tratamento que forneça cura para condilomas acuminados. A erradicação ou redução de sintomas é o objetivo primário do tratamento de verrugas, mas a eliminação de lesões displásicas é a meta no tratamento de lesões escamosas intraepiteliais. O tratamento é reservado para pacientes com verrugas visíveis. A estratégia de tratamento geral é eliminar tantas das lesões visíveis quanto possível até que o sistema imunitário do hospedeiro possa controlar a replicação viral.

Existem vários tratamentos disponíveis, e nenhum tratamento é ideal para todas as pessoas ou todas os tipos de verrugas de forma geral. Então tentativas devem ser feitas seguindo aconselhamento médico.

Os tratamentos mais comuns das verrugas genitais ou condiloma acuminado, como também são conhecidas, são:


Wartec - Warticon Aldara
Wartec Aldara Imiquimod
Podofilotoxina (Warticon / Wartec) é um medicamento que é utilizado para tratar verrugas genitais e destina-se apenas para uso externo. Contém a substância activa podofilotoxina que impede o crescimento celular e mata o vírus, o que resulta no desaparecimento das verrugas de maneira eficaz.

Imiquimod (Aldara) é um creme que deve ser aplicado como tratamento para verrugas genitais externas e perianais. É fácil de usar e seguro se as instruções forem seguidas. Se outros tratamentos forem inadequados, Aldara está disponível com prescrição totalmente subsidiada do seu médico através da aplicação de Autoridade Especial. Não é recomendado durante a gravidez.



Entre outros tratamentos bastante utilizados estão:

A solução de Podofilotoxina (Condyline) é um tratamento aplicado por pacientes para verrugas genitais externas, recomendado apenas para homens, pois é muito difícil para as mulheres se auto-aplicarem. Para os homens, é fácil de usar e seguro se as instruções forem seguidas. Contra-indicado na gravidez.

Crioterapia (congelamento da verruga com nitrogênio líquido) por um profissional de saúde treinado.

O ácido tricloroacético (TCA) é um produto químico aplicado à superfície da verruga por um profissional de saúde treinado. Ele não está disponível em algumas clinícas especializadas.

Terapia a lazer (usa-se uma luz intensa para destruir as verrugas) ou cirurgia (cortar as verrugas) tem a vantagem de se livrar das verrugas de uma vez. No entanto, o tratamento pode ser caro e a clínica deve ser extremamente especializada nesses métodos.

Recorrências podem acontecer

Os fatores que podem influenciar a seleção do tratamento incluem tamanho, localização e número de verrugas, alterações nas verrugas, sua preferência, custo de tratamento, conveniência, efeitos adversos e experiência do médico.

Seja qual for o tratamento, aqui estão alguns pontos importantes a lembrar:

  • É aconselhável procurar aconselhamento médico antes de iniciar o tratamento para verrugas genitais.
  • Pergunte ao seu médico detalhes sobre as opções, incluindo os custos e benefícios prováveis.
  • Certifique-se de compreender as instruções de acompanhamento, como o que fazer sobre desconforto e quando procurar ajuda.
  • Seja paciente - tratamento muitas vezes requer várias tentativas e uma variedade de abordagens.
  • Se estiver grávida ou pensa que pode estar, informe o seu médico para que ele ou ela possa escolher um tratamento que não seja prejudicial para si ou para o seu bebé.
  • Recomenda-se evitar o contato sexual com a área infectada durante o tratamento, para proteger a área tratada da pele do atrito e ajudá-la a cicatrizar.

Prevenção do HPV

Como o HPV é tão facilmente transmitido, é muito difícil evitar que você seja infectado com esse vírus comum. Como vimos até 80% dos homens e mulheres serão infectados com pelo menos um tipo de HPV em algum momento da sua vida. Mas lembre-se que a maioria das pessoas se livram da infecção por HPV de seu corpo sem quaisquer sintomas ou problemas de saúde.

 

Sexo seguro

Se usado corretamente, os preservativos podem ajudar a reduzir o risco de HPV genital. No entanto, preservativos não fornecem 100% de proteção contra o HPV, uma vez que é transmitido através do contato genital da pele não apenas relações sexuais. É importante lembrar que os preservativos também fornecem proteção contra outras doenças sexualmente transmissíveis.

Vacinação

Três vacinas foram aprovadas pela FDA para prevenir a infecção pelo HPV: Gardasil, Gardasil 9 e Cervarix. Todas as três vacinas previnem infecções com os tipos 16 e 18 do HPV, dois HPVs de alto risco que causam cerca de 70% dos cancros cervicais e uma porcentagem ainda maior de alguns dos outros tipos de cancro associados ao HPV (9,10). Gardasil também previne a infecção com os tipos 6 e 11 do HPV, que causam 90% das verrugas genitais.

Veja abaixo a eficácia das três vacinas em relação as infecções com os tipos 16 e 18 do HPV (HPV 16 e 18 são bem conhecidos por aumentar significativamente o risco de cancro do colo do útero em mulheres que têm infecções persistentes com estes dois tipos de HPV):

Vacina do HPV

A análise de intenção de tratamento é uma comparação dos grupos de tratamento que inclui todos os pacientes como alocados originalmente após a randomização. Este é o método recomendado em testes de superioridade para evitar qualquer viés.

A análise por protocolo é uma comparação de grupos de tratamento que inclui apenas aqueles pacientes que completaram o tratamento originalmente alocado. Se feito sozinho, esta análise conduz ao viés.

Nas mulheres, a vacinação pode ajudar a proteger contra o cancro do colo do útero, cancro vaginal, vulval e anal e verrugas genitais.

Nos homens, a vacinação pode ajudar a proteger contra as verrugas genitais e alguns cancros anais.

A vacinação não protege contra todos os tipos de HPV que podem causar cancro cervical, portanto, é importante que as mulheres continuem com exames de Papanicolau regulares.

As primeiras análises da vacina mostraram que para a infecção persistente ou incidente, havia uma eficácia muito alta, 100% para a infecção persistente. Outro tema também observado em todos os ensaios clinícos da vacina é que, mesmo nas análises de intenção de tratar, a eficácia em termos de infecção persistente e anormalidades citológicas permanece muito alta.

Um ponto não mencionado no estudo é: Muitas infecções incidentes vão se resolver sem complicações futuras. A infecção persistente, no entanto, pode levar à produção contínua de oncogenes virais, e mais oncogenes virais levam a um Papanicolaou anormal, displasia cervical e cancro cervical.

Converse com um profissional de saúde para obter mais informações.

 

Importância de Papanicolau regulares

O risco de desenvolver cancro do colo do útero em mulheres pode ser reduzido através de exames de Papanicolau regulares, que são um programa de detecção precoce. Certifique-se sempre de receber o resultado do exame de Papanicolaou.

Os exames de Papanicolau são geralmente realizados a cada 2 anos, a menos que seu médico tenha solicitado que os tenha com mais frequência. Os exames de Papanicolau regulares são uma maneira muito boa de descobrir células anormais no colo do útero (pré-cancros) antes que eles progridam em cancro cervical. Se já iniciou a sua vida sexual (com parceiros masculinos ou femininos), deve realizar o exame Papanicolau pelo menos a cada dois anos, começando aos 18 a 20 anos de idade, e continuando até 70 anos.

Fatos sobre HPV

  • O papilomavírus humano (HPV) é um grupo de vírus, quais são extremamente comuns em todo o mundo.
  • Existem mais de 100 tipos de HPV, dos quais pelo menos 13 são causadores de câncer (também conhecido como tipo de alto risco).
  • O HPV é transmitido principalmente através do contato sexual e a maioria das pessoas está infectada pelo HPV logo após o início da atividade sexual.
  • O câncer cervical é causado por infecção sexualmente adquirida com certos tipos de HPV.
  • Dois tipos de HPV (16 e 18) causam 70% dos cânceres cervicais e lesões cervicais pré-cancerosas.
  • Há também evidências que ligam o HPV com cânceres do ânus, vulva, vagina e pênis.
  • O cancro do colo do útero é o segundo cancro mais comum em mulheres que vivem em regiões menos desenvolvidas com cerca de 445 000 novos casos em 2012 (84% dos novos casos em todo o mundo).
  • Em 2012, aproximadamente 270 000 mulheres morreram de câncer cervical; Mais de 85% dessas mortes ocorrem em países de baixa e média renda.
  • Vacinas contra HPV 16 e 18 foram aprovadas para uso em muitos países.
 

Fontes:

  1. HPV and Cervical Cancer/Latin America/Brazil (2011), WHO - World Health Organization/ICO Information Centre - URL: who.int
  2. Genital warts (2012), International Union against Sexually Transmitted Infections (IUSTI) - URL: iusti.org
  3. Bula da vacina contra HPV oncogênico (16 e 18, recombinante, com adjuvante AS04).
  4. Bula da vacina quadrivalente recombinante contra o HPV 6, 11, 16 e 18. 3. Gillison ML, Chaturvedi AK, Lowy DR.
  5. HPV prophylactic vaccines and the potential prevention of noncervical cancers in both men and women (2008), Gillison ML, Chaturvedi AK, Lowy DR; 113 (10 Suppl):3036-46.
  6. Against wich human papillomavirus types shall we vaccinate and screen? The international perspective (2004) Int J Cancer, Muñoz N, Bosch FX, Castellsague X et al.  111: 278-285. 2.
  7. Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS)  (2009) - Ministério da Saúde

Atualizado em 15 de Dezembro de 2016.

Como funciona
Passo 1 - Escolha o medicamento
Passo 2 - Preencha o formulário médico
Passo 3 - O médico analisa os seus detalhes e emite a sua prescrição
Passo 4 - O seu medicamento será enviado no mesmo dia ou no dia seguinte
Entrega gratuita