Sialorreia (hipersalivação)

A sialorreia ou hipersalivação caracteriza-se por uma produção de saliva em excesso e é um problema comum em crianças com problemas neurológicos como a paralisia cerebral e em adultos com danos neurológicos provocados pela doença de Parkinson ou AVC.

A saliva é secretada pelas glândulas salivares major (parótidas, submandibulares e sublinguais) e pelas glândulas salivares minor presentes na cavidade oral. Diariamente são produzidos aproximadamente 1,5L de saliva, cujas funções incluem regular o pH oral, manter a homeostase oral e ajudar na higienização da boca. As propriedades bactericidas e bacteriostáticas da saliva permitem também manter a saúde dentária e diminuir o odor bucal, enquanto serve de lubrificante durante a mastigação e deglutição.

A sialorreia ou hipersalivação é definida pela presença de saliva para além da margem do lábio e é comum em bebés. Porém, normalmente a criança baba apenas até aos 15-18 meses de idade, sendo normal ganhar controlo a partir desta idade. A salivação em excesso em crianças com mais de 4 anos é geralmente considerada patológica e tem um forte impacto na qualidade de vida.

O que é a sialorreia, como acontece e função da saliva

Sialorreia (babar ou salivação excessiva) é definida como saliva além da margem do lábio. Esta condição é normal em lactentes, mas geralmente pára por 15 a 18 meses de idade. A sialorreia após quatro anos de idade geralmente é considerada patológica. 

A sialorréia (baba ou salivação excessiva) é um problema comum em crianças com problemas neurológicos (isto é, aqueles com atraso mental ou paralisia cerebral) e em adultos que têm doença de Parkinson ou tiveram um acidente vascular cerebral. É mais comumente causado por um fraco controle muscular oral e facial. Os fatores contribuintes podem incluir hipersecreção de saliva, má oclusão dentária, problemas posturais e incapacidade de reconhecer o derrame salivar.

Funções da saliva

As várias funções da saliva incluem limpeza mecânica da boca, contribuindo para a homeostase oral e ajudando a regular o pH oral. A saliva também possui propriedades bacteriostáticas e bacteriocídicas que contribuem para a saúde dentária e diminuem o odor oral. É importante na lubrificação dos bolos alimentares, e a amilase na saliva começa a digestão dos amidos. 

Como a salivação e hipersalivação acontecem

O sistema nervoso parasimpático inerva as glândulas parótida, submandibular e sublingual com fibras que se originam no pons, medula e sinapse nos gânglios óticos e submandibulares. As fibras pós-ganglionares do gânglio ótico fornecem função secretiva para a glândula parótida e as fibras da função secretora de fornecimento de gânglios submandibulares, às glândulas submandibular e sublingual. O fluxo de saliva é reforçado pela inervação simpática, que promove a contração das fibras musculares em torno dos dutos salivares.

principais

A saliva é secretada pelas seis principais glândulas salivares (duas parótidas, duas submandibulares e duas sublinguais) e várias centenas de glândulas salivares menores. As principais glândulas salivares produzem 90% dos aproximadamente 1,5 L de saliva que são segregados por dia. No estado não estimulado (basal), 70 por cento da saliva é secretada pelas glândulas submandibular e sublingual. Quando estimulado, o fluxo salivar aumenta cinco vezes, com as glândulas parótidas fornecendo a preponderância da saliva.

Quais as causas da sialorreia?

A sialorréia geralmente é causada por disfunção neuromuscular, hipersecreção, disfunção sensorial ou disfunção anatômica (motora). A causa mais comum é a disfunção neuromuscular. Em crianças, o atraso mental e a paralisia cerebral são comumente implicados; Em adultos, a doença de Parkinson é a etiologia mais comum. A paralisia Pseudobulbar, a paralisia bulbar e o acidente vascular cerebral são causas menos comuns.

A hipersecreção comumente é causada por inflamação, como dentição, cárie dentária e infecção da cavidade oral. Outras causas de hipersecreção incluem efeitos colaterais de medicamentos (isto é, tranquilizantes, anticonvulsivantes), refluxo gastroesofágico, exposição à toxina (vapor de mercúrio) e raiva.

A sialorreia pode também ser causada pela fraqueza ou falta de controle nos músculos da face, língua, boca ou garganta, tornando difícil a deglutição de saliva, mesmo que esta seja produzida numa quantidade normal. Existem também condições de saúde ou medicamentos que aumentam a produção de saliva, como o refluxo gástrico e o uso de tranquilizantes ou anticonvulsivantes.

A causa mais comum em crianças com paralisia cerebral é a disfunção neuromuscular, bem como em adultos com doença de Parkinson. Em circunstâncias normais, é possível controlar a hipersalivação pela deglutição, porém, no caso de disfunção sensorial o organismo não consegue reconhecer a hipersalivação e no caso de disfunção motora, não consegue controlar o excesso de saliva produzida, não permitindo que esta seja deglutida.

Embora menos comuns, os problemas anatómicos como a macroglossia (língua aumentada), e a incompetência labial podem levar à hipersalivação. Da mesma forma, intervenções cirúrgicas na cabeça e pescoço podem também provocar esta condição.

Outras causas geralmente responsáveis por sialorreia temporária incluem gravidez, doença hepática, infecções orais, úlceras orais, intoxicação por metais pesados e radioterapia.

Veja a lista das causas mais comuns abaixo:

causas

Outras causas da Sialorreia

Disfunção neuromuscular / sensorial

  • Retardo mental 
  • Paralisia cerebral
  • Mal de Parkinson
  • Pseudobulbar 
  • Paralisia Bulbar 
  • Acidente vascular encefálico

Hipersecreção 

  • Inflamação (dentição, cárie dentária, infecção por cavidade oral, raiva)
  • Efeitos secundários da medicação (tranqüilizantes, anticonvulsivantes)
  • Refluxo gastroesofágico
  • Exposição a toxinas (vapor de mercúrio)

Anatomicas 

  • Macroglossia (língua alargada)
  • Incompetência oral
  • Má oclusão dental
  • Problemas ortodônticos
  • Defeitos cirúrgicos de cabeça e pescoço (ou seja, deformidade)

Em circunstâncias normais, as pessoas são capazes de compensar o aumento da salivação por deglutição. No entanto, a disfunção sensorial pode diminuir a capacidade de uma pessoa reconhecer baba e a disfunção anatômica ou motora pode impedir a capacidade de gerir secreções aumentadas.

Anormalidades anatômicas geralmente não são a única causa de babar, mas geralmente exacerbam outras condições causais. Macroglossia (língua alargada) e incompetência oral podem predispor os pacientes ao derrame salivar. Infelizmente, nenhuma destas condições é facilmente corrigida. Maloclusão e outros problemas de ortodontia podem compor a incompetência oral; A correção ortodôntica pode reduzir a sialorréia.

Quais as complicações e riscos da hipersalivação?

A hipersalivação pode levar a fissuras labiais e na pele, odor e infecção da boca. Particularmente nas crianças com problemas mentais, a sialorreia pode reduzir a qualidade de vida e causar perturbações no sono. Em casos severos, a salivação em excesso pode conduzir a desidratação e convulsões, tornando-se fatal.

A sialorréia provoca uma série de complicações físicas e psicossociais, incluindo calção perioral, desidratação, odor e estigmatização social, que podem ser devastadores para os pacientes e suas famílias.

As complicações físicas e psicossociais da sialorréia variam de sintomas leves e inconvenientes a problemas graves que podem ter um impacto negativo significativo na qualidade de vida. As complicações físicas incluem calção perioral e maceração com infecção secundária, desidratação e mau cheiro.

As complicações psicossociais incluem o isolamento, as barreiras à educação (como a incapacidade de compartilhar livros ou teclados de computador) e aumento da dependência e nível de atendimento. Os cuidadores e entes queridos podem achar mais difícil demonstrar carinho com os pacientes afetados, contribuindo para uma estigmatização potencialmente devastadora.

Diagnóstico da Sialorreia

O impacto da sialorreia na qualidade de vida do paciente é o principal factor a ter em conta no que diz respeito à administração de tratamento. Contudo, a gravidade da hipersalivação pode ser avaliada com um sistema para a severidade da salivação numa escala de 5 pontos e a frequência da salivação numa escala de 4 pontos.

Severidade Pontos
Seca (sem babar) 1
Ligeira (lábios húmidos) 2
Moderada (queixo e lábios húmidos) 3
Severa (roupa molhada) 4
Abundante (roupa, mãos e objectos molhados) 5

Frequência Pontos
Sem babar 1
Baba às vezes 2
Baba frequentemente 3
Baba constantemente 4

Este sistema é particularmente útil para avaliar a eficácia do tratamento na qualidade de vida do paciente.

No caso de problemas ligeiros de salivação excessiva em crianças com menos de 4 anos ou em adultos com problemas na função neurológica, pode ser adoptado um programa alimentar que vise melhorar o controlo oromotor. Se estiverem presentes problemas funcionais que possam ser corrigidos, como má-oclusão e incompetência labial, esta correção deve ser feita antes de serem adoptados outros tratamentos.

A terapia pode também permitir um melhor controlo da saliva por fortalecer os músculos da face e corrigir a postura, impedindo a perda de saliva e podendo ser combinada com técnicas de reforço positivo e negativo em pacientes com doença neurológica moderada.

Nos casos em que as medidas descritas acima tenham revelado poucos resultados, devem ser considerados outros tratamentos como medicação, radioterapia ou terapia cirúrgica.

Tratamentos da Sialorreia

O tratamento da sialorréia é melhor realizado usando uma abordagem de equipe. O médico foca sua atenção primária na história completa e no exame físico do paciente, com especial atenção ao impacto da hipersalivação na qualidade de vida e ao potencial de melhoria.

Os patologistas da fala e os terapeutas ocupacionais trabalham com os pacientes para melhorar sua mecânica de deglutição e apoiar sua postura com dispositivos como a cadeira de rodas traseira. Dentistas e ortodontistas avaliam e tratam doenças dentárias e bucais e má oclusão. Os otorrinolaringologistas identificam e corrigem as causas da obstrução aerodigestiva como macroglossia e hipertrofia adenotonsilar que contribuem para a babagem. Neurologistas, otorrinolaringologistas e médicos de atenção primária podem avaliar o paciente para neuropatias cranianas significativas.

Após uma avaliação minuciosa, um consenso sobre as opções de tratamento apropriadas deve ser desenvolvido pela equipe de tratamento, o paciente e a família do paciente. Os tratamentos podem ser oferecidos de forma escalonada, desde tratamentos invasivos e não cirúrgicos até invasivos.

Para problemas mínimos, em crianças com menos de quatro anos de idade ou em adultos com função neurológica instável, a observação é frequentemente a melhor opção. Problemas mínimos também podem ser tratados com um programa de alimentação destinado a melhorar o controle oromotor, embora este esforço raramente seja bem sucedido .

Todos os fatores situacionais devem ser corrigidos e a má oclusão dentária e a cárie devem ser tratadas. A adenotonsilectomia deve ser realizada, quando indicado, e os pacientes devem ser equipados com cadeiras de rodas e chaves adequadas, se necessário.

Vários aparelhos ortodônticos podem ser utilizados para o tratamento da sialorréia. As placas personalizadas formadas para caber o palato podem ajudar a melhorar o fechamento dos lábios. Os aparelhos móveis podem ser colocados na placa superior; Eles estimulam o movimento da língua, ajudando assim a desviar a saliva em direção à faringe. O uso dessas contas em combinação com a terapia de deglutição tem sido bem sucedido em pacientes com sialorréia moderada.

As técnicas de bio-feedback automático trataram com sucesso pacientes com disfunção neurológica leve e babando. Um estudo mostrou que o bio-feedback foi bem sucedido em pacientes com mais de oito anos que tiveram problemas leves a moderados. Os pacientes são treinados para associar um comportamento com uma sugestão; Por exemplo, engolir ou limpar o rosto está associado a um sinal sonoro eletrônico. Estes dispositivos podem ser usados ​​por várias horas por dia. A desvantagem para esses dispositivos é que os pacientes se tornam habituados ao estímulo e os dispositivos tornam-se menos efetivos após o uso repetitivo.

O reforço positivo e negativo foi descrito como um adjuvante no tratamento da sialorréia em pacientes com doença neurológica moderada. Os cuidadores parabenizam os pacientes por não babar ou exigem que eles esfregem os rostos quando se esquecem de engolir.

Em um pequeno estudo prospectivo, acupuntura mostrou potencial melhoria a sialorréia com base em medidas subjetivas em sete dos 10 pacientes. Durante um período de seis semanas, os pacientes foram tratados 30 vezes com agulhas colocadas em cinco locais na língua. É necessário estudar mais a eficácia da acupuntura no tratamento da sialorréia.

Se a sialorréia continuar a interferir com a saúde e a qualidade de vida do paciente, após a tentativa de medidas não invasivas, deve ser considerada a medicação, a radiação e a terapia cirúrgica.

Tratamento com medicamentos

Os medicamentos anticolinérgicos bloqueiam a inervação parasimpática das glândulas salivares. Vários estudos demonstraram a eficácia do glicopirrolato e da escopolamina (Transderm Scop) no tratamento da sialorréia.

A escopolamina transdérmica, aplicada como remendo atrás da orelha, foi bem tolerada em estudos de curto prazo, 16,17, mas Seu uso foi limitado por efeitos colaterais da retenção urinária e visão turva.

Medicamentos para tratamento da sialorréia
AGENTE COMO É FORNECIDO DOSAGEM EFEITOS COLATERAIS
Glycopyrrolate Comprimidos marcados, 1 ou 2 mg Adultos: Comece com 0,5 mg por via oral, um a três vezes ao dia; Acompanhe a eficácia e a tolerabilidade. /
Crianças: 0,04 mg por kg por dose por via oral, duas a três vezes ao dia; Acompanhe a eficácia e tolerabilidade
Constipação, secura oral excessiva, retenção urinária, visão turva, hiperatividade, irritabilidade
Scopoderm ou Scopolamine (Transderm Scop) Adesivo de 1,5 mg Aplique o adesivo a cada 72 horas ou quando necessário. Prurido no local do remendo, retenção urinária, irritabilidade, visão turva, tonturas, glaucoma
Toxina botulínica A Frasco, 100 U por frasco para injeções Sob orientação por ultra-som, injeções de 10 a 40 unidades em cada glândula submandibular e parótida Dor no local da injeção, secura oral excessiva

Radioterapia

Um dos efeitos da radioterapia é a xerostomia, que consiste na redução da produção de saliva. Esta opção de tratamento está normalmente indicada a pacientes mais velhos que não toleram a terapia com medicamentos ou não são candidatos aos procedimentos cirúrgicos.

Cirurgia

A remoção cirúrgica das glândulas salivares ou a destruição do seu controlo nervoso são normalmente utilizados como último recurso e em casos de sialorreia severos. A cirurgia normalmente envolve a ligação dos ductos da glândula parótida e a excisão da glândula submandibular, eliminando a sialorreia de forma permanente e total.

Toxicina Botulínica

Intraglandular injeção de toxina botulínica tipo A recentemente foi relatado para melhorar a sialorréia. Sob orientação por ultra-som, a toxina botulínica tipo A foi injetada nas glândulas parótidas e submandibulares bilaterais de 10 pacientes adultos. Nove dos pacientes melhoraram, e nenhum paciente apresentou complicações. A resposta ao tratamento durou aproximadamente cinco meses, tornando necessários novos tratamentos para o controle a longo prazo.

Controle de reflexão gastroesofágica

Muitos pacientes com atraso no desenvolvimento ou deficientes neurológicos com sialorréia também têm refluxo gastroesofágico significativo. Foi postulado que o controle do refluxo reduziria a babagem; No entanto, esta conjectura não foi confirmada pela pesquisa, e é improvável que o controle do refluxo tenha algum efeito clinicamente significativo na sialorréia.

Vantagens e desvantagens das terapias cirúrgicas para a sialorréia
TERAPIA CIRÚRGICA VANTAGENS DESVANTAGENS
Remoção do duto submandibular
  • Sem cicatriz externa
  • Potencial de aspiração
  • Baixa incidência de ranura com excisão da glândula sublingual
  • Potencial para cáries dentárias anteriores
  • Sem excisão da glândula sublingual, o paciente pode desenvolver ranula
  • A deslocalização do ducto é um procedimento incomum
Excessão da glândula submandibular
  • Controle eficaz da sialorréia
  • Procedimento comumente executado
  • Cicatriz externa
  • Potencial para cáries dentárias
Deslocamento do ducto parótido
  • Redireciona o fluxo no estado estimulado
  • Risco de sialocele
  • Potencial de aspiração
  • A deslocalização é um procedimento incomum
Ligação do duto parótido
  • Procedimento simples e rápido
  • Diminui o fluxo no estado estimulado
  • Risco de sialocele
Neurectomia transimagnética
  • Técnicamente fácil, procedimento rápido
  • Não requer anestesia geral
  • Útil em pacientes idosos
  • Retorno previsível da função salivar
  • Requer vários procedimentos


A Sialorreia ou hipersalivação apenas possui tratamentos não rotulados, portanto, somente o seu médico após consulta presencial pode decidir como lidar com essa condição. Nós, euroClinix, não recomendamos qualquer tratamento para essa condição.

Fontes:

Como Funciona
Escolha o Medicamento
Preencha o Formulário Médico
O médico emite a sua prescrição
Medicamento é enviado da farmácia
Entrega gratuita